Área Restrita

Esqueceu seus dados ?
Logomarca Concurseiros de Plantão

REDES SOCIAIS

PARCEIROS

Banner AF Concursos
Artigos

Escrito por: Profa. Maria Cândida, Brasília/DF

DICAS DE GRAMÁTICA - CRASE.

 

Olá, amigo Concurseiro de plantão! A minha dica de hoje é sobre CRASE. Se você observou os editais dos próximos concursos, percebeu que todos cobram o uso do acento grave ou acento indicativo de crase. As bancas exploram esse assunto devido à sua complexidade e regras específicas, as quais são usadas como “peguinhas” e “armadilhas” com o intuito de eliminar bons candidatos do certame. Mas, afinal como aprender CRASE? É simples, basta entender que crase é a “fusão” de duas vogais idênticas. Se você compreender que essa “fusão” está diretamente associada à regência verbal e nominal, tudo fica mais fácil. Portanto é fundamental reconhecer se o verbo ou o nome rege a preposição “A” e se o termo seguinte aceita outra vogal “A”. Assim o primeiro “A” será a preposição regida pelo verbo ou nome e o segundo “A” será o complemento verbal ou nominal, conforme os exemplos abaixo:

1 – artigo definido – antes de substantivo feminimo.

Exemplo. Vou à feira. Vou a (preposição) + a (artigo) feira.

2 – pronome demonstrativo – equivalente a “aquela(s)”.

Exemplo. De todas as casas da cidade, nenhuma é igual à da Ponte. Nenhuma é igual a (preposição) + a (pronome demonstrativo = aquela) da Ponte.

3 – o “A” que inicia o pronome aquele.

Exemplo. Refiro-me àquele honrado professor. – Refiro-me a (preposição) + aquele honrado professor.

Um recurso que pode ser utilizado para se saber se existem ou não dois “AS” é a substituição da palavra feminina por uma masculina. Se ocorrer a combinação “AO(s)”, haverá crase na forma original feminina. Esse recurso pode ser aplicado aos dois primeiros exemplos.

1 – Vou ao mercado.

2 – De todos os prédios da cidade, nenhum é igual ao da Ponte.

Vejamos algumas questões da banca CESPE.

1  O novo regime automotivo anunciado pelo governo

federal incorpora algumas boas práticas de política industrial,

como o incentivo à inovação, à eficiência energética e ao

4 fortalecimento da cadeia de produção local — mas com a clara

intenção de não privilegiar acintosamente a indústria nacional,

para evitar questionamentos na Organização Mundial do

7 Comércio.

A nova política condiciona a isenção da alíquota

adicional de 30% no imposto sobre produtos industrializados

10 a contrapartidas mensuráveis das empresas. Para obter

benefícios maiores, será obrigatório cumprir metas múltiplas.

Exige-se, por exemplo, investimento crescente em pesquisa e

13 desenvolvimento, até atingir 0,5% da receita líquida entre 2015

e 2017, além de 1% para engenharia, tecnologia industrial

básica e capacitação de fornecedores.

16 Não se fala mais em percentual mínimo de conteúdo

nacional, mas as montadoras terão de realizar no Brasil ao

menos seis de doze etapas fabris já em 2013. Outro requisito

19 fundamental é a economia de combustível, com o objetivo de

alinhar a produção às exigências de países líderes, como os da

Europa. A marca de 17,3 km/L para os automóveis novos —

22 uma redução de 12% do consumo atual — precisará ser

atingida até 2017.

Editorial, Folha de S. Paulo, 5/10/2012 (com adaptações).

- Na linha 3, o emprego do sinal indicativo de crase em “à inovação, à eficiência” deve-se à regência da palavra “incentivo”, que exige complemento regido pela preposição “a”, e pelo fato de as palavras “inovação” e “eficiência” estarem antecedidas por artigo definido feminino.

(  ) Certo   (  ) Errado

E aí, Concurseiro de Plantão? Espero que você tenha marcado o item correto. Não desista dos seus sonhos, bons estudos e até a próxima dica.

Profa. Maria Candida

 

Outros Artigos de: Profa. Maria Cândida, Brasília/DF